Círio de Nazaré: Maniçoba e frango no tucupi integra o cardápio de pacientes e colaboradores do Hospital Metropolitano

Os tradicionais pratos paraense serão servidos nos dias 8 e 9 de outubro. A ação tem o objetivo de proporcionar uma alimentação diferenciada, aliada com o bem-estar físico e mental

A Maniçoba é um prato de origem indígena, típico da culinária paraense. Nesse período das festividades do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, uma das maiores manifestações religiosas do mundo, essa iguaria passa a ser uma figura carimbada nos almoços em família.

Seguindo uma tradição no Pará, nos dias 8 e 10 de outubro, o Hospital Metropolitano Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, incluirá em seu cardápio para colaboradores, pacientes e acompanhantes, a maniçoba e o frango no tucupi.

No caso dos pacientes, as refeições foram autorizadas pelos médicos com base na dieta de cada pessoa internada e serão supervisionadas pelos nutricionistas do Serviço de Nutrição e Dietética (SND) do Hospital Metropolitano.

Adolffo Amaral dos Santos, de 33 anos, está internado há três dias após ser vítima de acidente de trânsito. Ele relembra que nesse período, na casa onde mora com a mãe, em Benevides, a maniçoba fica cozinhando por cinco dias até que fique pronta para o consumo.

“Em casa dormimos e acordamos com o cheiro do tucupi e da maniva em cozimento. Pensei que esse ano passaria em branco, mas depois que a equipe do hospital informou a novidade, o meu humor até melhorou”, explicou.

O cardápio também pegou a recepcionista, Josiane Costa, 41 anos, de surpresa. “Será que junto dos pratos vem aquela farinha da baguda?”, brincou a paciente em tratamento.

Essa é a segunda vez que a unidade, que pertence ao Governo do Pará, sob gestão da entidade filantrópica Pró-Saúde, realiza esse tipo de ação. A expectativa é que sejam produzidos cerca de 2,5 mil pratos a cada dia, totalizando em média 5 mil unidades neste final de semana.

As refeições no Metropolitano são preparadas pela equipe do Serviço de Nutrição Dietética, que conta com 60 colaboradores, divididos entre copeiros, cozinheiros, auxiliares de cozinha, além de nutricionistas assistenciais e de produção.

A maniçoba é composta por maniva, resultado da moagem da folha da mandioca, tóxica para o consumo se não for cozida corretamente. O preparo conta ainda com a inclusão das mesmas carnes utilizadas na feijoada.

Tradição no Círio de Nazaré, além de ser uma comida típica, a maniçoba faz parte da identidade paraense. Todo segundo final de semana de outubro, o prato reúne famílias paraenses para celebrar mais um ano de bênçãos.

Para quem trabalha a tanto tempo preparando as refeições do hospital, esse período é de muita emoção. “Ficamos emocionados durante a preparação, pois sabemos que vamos fazer uma pessoa melhor através desse prato”, declarou a cozinheira Maria José Miranda.

“A fé é algo muito presente no Metropolitano. Aliado com a tradição que vivemos nesse período, torna esse momento muito especial para todos”, completou a cozinheira, que atua na unidade há 6 anos.

Para a diretora hospitalar, Alba Muniz, “o papel da Pró-Saúde é proporcionar a plena recuperação e oferecer experiências positivas para os pacientes, com ações humanizadas, proporcionando um tratamento mais tranquilo e menos dolorido”, acrescentou.