Com projeto “Vidas Que Importam”, hospitais Metropolitano e de Campanha promovem acolhimento aos profissionais

Além da assistência em saúde física, o projeto presta apoio emocional aos colaboradores que atuam nas duas unidades neste período de pandemia

Diante do avanço da Covid-19, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) e o Hospital de Campanha do Hangar implantaram o projeto “Vidas Que Importam”, com o intuito de promover acolhimento e prestar assistência em saúde aos colaboradores das unidades.

O acolhimento prestado aos colaboradores com sintomas iniciais da doença, também pretende contemplar medidas voltadas ao bem-estar psicológico e emocional dos profissionais. A ação faz parte dos esforços da Pró-Saúde, entidade filantrópica gestora do HMUE e do Hospital de Campanha, por meio de contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

“Entendemos que esse é um momento de fragilidade, de cansaço e principalmente de muito medo. O projeto trabalha justamente nisso, em amenizar esses sintomas da pandemia, trazendo mais conforto e confiança nesses colaboradores”, explica Alba Muniz, diretora Hospitalar.

Ainda para a diretora, “os profissionais atendem a população, mas eles precisam de alguém que cuide deles. Isso causa uma sensação de tranquilidade nos profissionais ao saber que possuem um local onde buscar atendimento, caso precise”, completou.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 55% dos profissionais da saúde foram infectados pelo novo coronavírus. Os dados são de novembro de 2020.

Josiete Nazaré Corrêa, de 50 anos, é técnica de Enfermagem e viu de perto alguns amigos perderem a vida para a Covid-19. “Foram momentos duros, principalmente pelo medo”, lamentou.

A profissional, que atua no HMUE, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, chegou a atuar durante três meses na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), montada para atender pacientes com a doença.

“Cuidei de vários pacientes. Muitos tiveram alta e outros não resistiram. Nós vamos sempre estar aqui para cuidar de quem precisa, mas não vemos a população cuidar da gente com atitudes simples, como usar a máscara”, enfatizou.

Como funciona o projeto

No Metropolitano, foi montado um espaço com enfermeiros e médicos que promovem o atendimento presencial e a distância. Na unidade também é possível realizar exames laboratoriais e tomografia.

O procedimento ocorre de forma virtual e presencial. Foto: Comunicação / Pró-Saúde.

Um dos colaboradores atendidos foi o técnico de Enfermagem, Everaldo Moreira. “Estamos vendo unidades de saúde lotadas e sem leitos. Quando comecei a ter sintomas me deu um medo e não sabia para onde ir. Foi aí que descobri o ‘Vidas Que Importam’”.

O colaborador entra em contato por meio do aplicativo de mensagem para o número do projeto. O atendimento é iniciado à distância e em seguida o profissional é orientado a ir de forma presencial no Hospital Metropolitano para atendimentos mais específicos.

Yoná Monteiro é assistente administrativa do Hospital Metropolitano e precisou acionar o projeto após ter sintomas do novo coronavírus. “Fiquei indisposta, com dores no corpo e falta de ar. Quando entrei em contato com o projeto fui muito bem acolhida”, diz.

De acordo com a diretora técnica do hospital, Renata Alves, “a rotina não é fácil e a pandemia não tem data para acabar. Por isso os colaboradores precisam se sentir seguros em saber que se precisarem, vão ter o atendimento caso apresente sintomas característicos da Covid-19”, reforçou.

Humanização

Ações como a do projeto “Vidas Que Importam” fazem parte do trabalho da Pró-Saúde, que tem como visão a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade, principalmente no enfrentamento da pandemia.

A humanização do Hospital Metropolitano, por exemplo, é uma importante ferramenta para o atendimento não só dos pacientes e familiares, mas também no acolhimento de colaboradores.

De acordo com a coordenadora de Humanização, Natália Failache, essa cobertura humanizada, que engloba todos os públicos, dentro e fora da unidade, é fundamental para propagar experiências de boas práticas, além de ajudar a gestão nos objetivos e metas frente à pandemia.

“Com o cenário da pandemia e sempre atrelado ao planejamento da nossa diretoria hospitalar, utilizamos vários dispositivos para amenizar as consequências da atual doença pandêmica, sempre com o intuito de suprir a necessidade dos nossos colaboradores”, relata.