Hospital Metropolitano celebra o Dia Mundial da Oração com pedido de recuperação de pacientes

No Dia Mundial da Oração, comemorado nesta sexta-feira, 5/3, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, realizou uma ação envolvendo colaboradores e pacientes para agradecer pela vida e pedir saúde aos pacientes que estão internados na unidade.

“Todos os dias eu oro e hoje eu aproveitei para reforçar ainda mais o meu pedido, a minha fé, em prol da recuperação do meu filho que sofreu um acidente de carro”, disse a administradora Cristina Duarte, de 46 anos.

A campanha é uma celebração que ocorre na primeira sexta-feira do mês de março e envolve todas as religiões que utilizam orações como forma de interceder pela realização de obras benéficas para a humanidade.

Além da recepção principal, a ação percorreu os leitos e envolveu todos os pacientes internados no Hospital Metropolitano, obedecendo todas as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), medidas para evitar a contaminação pela Covid-19, responsável pela pandemia no mundo.

O estudante José Augusto Santos, filho da Cristina Duarte, perdeu a direção do carro após ser fechado por outro automóvel e acabou capotando com o carro que dirigia. “Posso dizer que hoje eu estou vivo graças a muita oração da minha família. Hoje eu vejo esse dia como algo muito simbólico e forte pra mim”, explicou.

Durante a pandemia, ações como esta têm sido estimuladas, ainda mais, para oferecer um acolhimento emocional, social e psicológico, como atividades voltadas à experiência do paciente e do seu familiar. Os profissionais também são envolvidos no trabalho, além de atuarem como agentes de humanização.

Para a coordenadora de projetos sociais, Roberta Cardins, essas atividades engloba todos os públicos e estão dentro e fora da unidade, com a finalidade de propagar experiências de boas práticas implementadas pela Pró-Saúde, entidade que gerencia o Hospital Metropolitano, por meio de contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

“Percebemos que ainda existe um medo, isso faz com que a equipe crie dispositivos para amenizar as consequências que vieram com a pandemia. Damos esse suporte necessário para eles e para os colaboradores, propagando a humanização”, relata.

“Abençoe, Senhor, nossa vida conforme a sua vontade, protegendo e confortando os nossos corações, para que possamos dar testemunhos do teu amor. Peço pela vida de todos os paraenses que estão passando por essa luta e que eles possam voltar para os seus lares curados desse vírus”, orou por todos na unidade a religiosa Ana Cristina Vidal.