Reconhecimento nacional: Projeto de sustentabilidade do Hospital Metropolitano ganha prêmio em São Paulo

Com capacitação dos colaboradores, a unidade de saúde reduziu quase pela metade a produção de lixo infectante, material altamente prejudicial ao meio ambiente

Nesta semana, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua (PA), conquistou mais um importante prêmio, o “Amigo do Meio Ambiente” (AMA), pelas iniciativas sustentáveis e socioambientais desenvolvidas na unidade.

O reconhecimento, em âmbito nacional, foi criado pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo (SES/SP) aos prestadores de serviço do Sistema Único de Saúde (SUS) de todo o país. A premiação acontece no Seminário Hospitais Sustentáveis (SHS), que neste ano, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, acontece no formato digital, entre os dias 7 e 10 de dezembro.

A iniciativa atesta – mais uma vez – que o Hospital Metropolitano, unidade do Governo do Pará, sob gestão da Pró-Saúde, adota valores fundamentais e internacionais direcionados ao meio ambiente.

O projeto inscrito “Capacitar Para Mudar – Ações Educativas em um Hospital de Urgência e Emergência”, apresenta os resultados dos treinamentos oferecidos aos colaboradores, sobre o manejo correto do resíduo infectante, material hospitalar que mais contamina o meio ambiente.

Resíduo infectante é aquele que apresenta risco biológico, com possibilidade de contaminação com agentes biológicos, tais como: bactérias, fungos, vírus, microplasmas, príons, parasitas, linhagens celulares e toxinas.

No ano passado, os hospitais Regional do Baixo Amazonas, em Santarém (PA), e Estadual de Urgência e Emergência, em Vitória (ES), também gerenciadas pela Pró-Saúde, uma das maiores entidades filantrópicas de gestão hospitalar do país, receberam o prêmio Amigo do Meio Ambiente.

Dados antes e após o projeto

“O incentivo que todos recebem, quanto a prática do desenvolvimento sustentável no Metropolitano é muito importante, pois planta a sementinha do cuidado com o meio ambiente, nos pacientes e da sociedade. Com isso, já podemos perceber grandes resultados”, enfatizou a analista de sustentabilidade do HMUE, Adriana Durans.

Desta forma, após a criação do projeto, houve uma redução de quase 44% no número de resíduos infectantes na unidade. Em 2017, o hospital gerava 132 mil toneladas desse material. Já em 2019, após a criação do projeto, o Metropolitano reduziu a produção de lixo infectante para 74 mil toneladas.

“Vale ressaltar que, além da queda na produção de resíduos infectantes, o Hospital Metropolitano economiza cerca de 71 mil reais em cada ano com a iniciativa. Isso possibilita mais investimentos nas áreas assistenciais”, explicou o diretor de apoio, Alisson Gomes.

Após análise dos dados, o coordenador do evento e arquiteto da Divisão de Meio Ambiente do Centro de Vigilância Sanitária (CVS), Vital Ribeiro, anunciou o Metropolitano como um dos 15 hospitais no Brasil “Amigo do Meio Ambiente”.

“O Hospital Metropolitano fez um trabalho interessante de redução de resíduo, combinando a reciclagem, recuperação de área do entorno e o envolvimento da comunidade”, explicou Vital Ribeiro que concluiu parabenizando a unidade. “Em nome de toda a comissão do Projeto Hospitais Saudáveis, quero parabenizar o hospital pela participação e pelo resultado”.

Pacto Global

Só esse ano, o Hospital Metropolitano soma dois prêmios de âmbito ambiental e de alcance nacional. No dia 9 de setembro, o hospital entrou mais uma vez para a seleta lista dos signatários que integram o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU).

O reconhecimento da ONU comprova que a gestão da Pró-Saúde na unidade tem como princípios os direitos humanos, relações de trabalho e por fim, o meio ambiente.

Rogério Kuntz, diretor operacional da Pró-Saúde no Pará, conta que esse ano é especial, pois os conhecimentos adquiridos pelo Hospital Metropolitano são um resgate dos valores éticos das relações mundiais.

“Além de sermos reconhecidos pela excelência no atendimento, destacamos as ações de preservação ambiental, respeitando as pessoas e também no uso racional dos recursos financeiros, um dos pilares da sustentabilidade”, comemorou.