Hospital Metropolitano promove a 1° Semana de Humanização

O objetivo do programa revela a importância do acolhimento humanitário de pacientes e acompanhantes.

Nos dias 17 a 19 de junho, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, promoveu a 1° Semana de Humanização com o objetivo de destacar a importância do acolhimento aos pacientes, além de prestar esclarecimentos sobre os direitos e deveres aos acompanhantes na sala de espera da Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Durante a semana, palestras, apresentação de cases e dinâmicas fizeram parte da programação que buscou compartilhar a Política Institucional de Humanização entre colaboradores, usuários e acompanhantes.

De acordo com Natália Failache, supervisora de Humanização do HMUE, essa primeira edição teve três dias para envolver os públicos da Unidade. “Para além de ações comemorativas, a humanização faz parte dos valores organizacionais do hospital, é o nosso atendimento refletindo na satisfação do colaborador e do usuário, bem como na sua plena recuperação”, explicou.

Ela destaca a importância da empatia. “É necessário se colocar no lugar do outro, mas sem somatizar a sua dor. É ter um olhar mais sensibilizado para o próximo, se solidarizar, escutar. É algo que temos de levar para vida e não restringir ao ambiente de trabalho”, ponderou. Cita ainda que o período de hospitalização não é fácil para o paciente e acompanhante. É preciso lembrá-los de que precisam se voltar para o autocuidado, se fortalecer para dar o suporte adequado aos entes debilitados.

Para auxiliar na diminuição do estresse, eles passaram por uma sessão de fisio-tai-chi, um tratamento desenvolvido pelo fisioterapeuta do trabalho, Augusto Duarte. “Estar em grupo é uma forma de melhorar física, emocional e espiritualmente. Tentando relaxar, respirar, pensar de forma positiva é uma outra forma de ver o sofrimento. Ao extravasar, revigora o ânimo para seguir em frente, superando obstáculos. A pessoa se dá conta de que não está só”, ressalta Augusto.

Com um som relaxante ao fundo, pacientes e acompanhantes em círculo foram convidados a se reconectar com si próprios. “É interessante, desenvolve o corpo, a mente e a alma. A gente está na rotina cansativa. O abraço é gostoso, conforta e alivia”, falou Silvia Nascimento que veio passar o dia acompanhando a amiga internada.

A programação também trouxe convidados para mostrar outros olhares sobre o atendimento humanizado. Outras práticas foram compartilhadas por profissionais da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, mostrando a trajetória e os desafios para humanização na instituição.

A 1° Semana de Humanização reuniu esforços de diversos setores do HMUE, como Medicina do Trabalho, Humanização e Psicossocial. Colaboradores de diferentes áreas puderam conhecer e aprofundar informações sobre um dos pilares da cultura organizacional da Unidade.

Sobre o HMUE

Referência no tratamento de média e alta complexidades em traumas e queimados para a região Norte pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), localizado em Ananindeua (PA), dispõe de 198 leitos operacionais nas especialidades de traumatologia, cirurgia geral, neurocirurgia, clínica médica, pediatria, cirurgia plástica exclusivo para pacientes vítimas de queimaduras, além de leitos de UTI.

O HMUE recebe pacientes da Região Metropolitana de Belém, dos diferentes municípios do Pará e também de outros estados. Em 2018, realizou mais de meio milhão de atendimentos, entre internações, cirurgias, exames laboratoriais e por imagem, atendimentos multiprofissionais e consultas ambulatoriais.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.

Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.