Preceptores do Hospital Metropolitano são capacitados em metodologias ativas de ensino

A formação de profissionais na área da saúde conta com a orientação dos preceptores, responsáveis pelo desenvolvimento, supervisão e acompanhamento de residentes médicos e multiprofissionais nas especialidades de uma unidade de saúde. No Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua (PA), os preceptores que trabalham na formação dos profissionais dos programas de Residência Multiprofissional e Residência Médica participaram, nesta quinta-feira (19/4), da oficina de “Metodologias Ativas”.

Tendo à frente o professor Bruno Paes Barreto, doutor em Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria, a oficina teve foco no incremento da formação dos preceptores. Baseada na concepção de que o educando é agente principal do aprendizado, a Metodologia Ativa ajuda na inserção do aluno no ensino e na aprendizagem. Nesse contexto, o preceptor ganha orientações para ser um integrante ativo na construção do saber a ser compartilhado na residência do hospital.

Terapeuta ocupacional e preceptora do Programa de Residência Multiprofissional do HMUE, Manuella de Azevedo, foi uma das participantes da aula ministrada no auditório 1 da unidade gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

A profissional destacou a oportunidade de participar de um momento, que visa colocar o facilitador de conhecimentos como um protagonista do seu processo de construção do saber. “Esse momento é muito rico para trazer novas contribuições a serem aplicadas no desenvolvimento dos nossos residentes. Serve para nos instigar e dar mais subsídios para a formação de profissionais pelo Sistema Único de Saúde (SUS)”, analisou.

Manuella acrescentou que o acesso a oficinas como a ministrada pelo professor Bruno Paes Barreto ajudam o preceptor a refletir sobre o seu papel enquanto facilitador de conhecimentos. “Ter um momento voltado para os preceptores é gratificante porque nos sentimos valorizados e, assim, acumulamos saberes para ajudar ainda mais os residentes”, afirmou.

O professor Bruno Paes Barreto ressaltou que a difusão dos conceitos de Metodologia Ativa traz um novo olhar para a aprendizagem. “A ideia central é estimular a discussão, olhar para novas ferramentas de aprendizagem como uma forma de capacitação das pessoas para que possamos ter uma saúde de qualidade no Pará”, disse. Bruno destacou também que a Metodologia Ativa pode ser agregada à gestão hospitalar, sobretudo na questão do ensino.

Na avaliação do coordenador do Departamento de Ensino e Pesquisa (DEP) do HMUE, Leonardo Ramos, a realização da oficina foi produtiva para os preceptores e demais colaboradores do Hospital Metropolitano, que trabalham na educação permanente e qualificação do trabalhador. “Conseguimos conhecer estratégias e ferramentas para aplicar com os residentes e nos treinamentos aos colaboradores. Com maior absorção de conteúdo, temos mais conhecimento para facilitar o atendimento aos nossos pacientes”, concluiu.