Conversa informal dá o tom do ‘Açaí com Diretor’ de julho

Um grupo de quatro colaboradores da Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua (PA), participou da edição do mês de julho do projeto “Açaí com Diretor” esta semana.

O projeto, cuja proposta é reunir colaboradores de setores distintos da unidade para uma conversa informal com gestores, regada ao tradicional açaí paraense. O bate-papo da última quarta-feira, 19/7, foi conduzido pelo diretor-geral do HMUE, Rogério Kuntz.

Os colaboradores Simone Fernandes, do setor de Farmácia, Mateus Monteiro, da Auditoria de Prontuário, Marcelino Lobato, da Reabilitação, e Pauline Cruz, do Núcleo de Regulação Interna (NIR), foram os participantes de julho.

O auxiliar administrativo Mateus Monteiro disse que foi a primeira vez que participou de uma experiência como esta. “Pude tirar dúvidas com o diretor em relação ao meu trabalho, conversar e conhecer a história da entidade. É a primeira vez que tenho a oportunidade de trabalhar em um local onde posso conversar com o gestor”, frisou.

A escolha de Mateus e dos outros convidados do encontro é feita pelo setor de Gestão de Pessoas. A psicóloga organizacional, Gilmara Souza, explica que os participantes são selecionados por meio da ficha funcional dos colaboradores. “Sorteamos uma numeração e vemos o número correspondente ao colaborador. Todos recebem um convite e, caso não possam comparecer, podem indicar um substituto”, contou.

Foi por meio dos encontros do “Açaí com Diretor” que ações como a adoção da pulseirinha de controle de acesso ao HMUE foram sugeridas. O projeto de escuta psicológica do colaborador também é resultado de demandas levadas aos gestores durante o “Açaí”. “O projeto surgiu das ações executadas a partir da Pesquisa de Clima Organizacional com os colaboradores. A partir daí implantamos esta conversa informal para conhecer melhor o trabalho de cada profissional da unidade”, comentou.

Diretor-geral do HMUE, Rogério Kuntz, disse que os encontros do projeto são uma oportunidade de estreitar o convívio com os colaboradores. “A gente tenta fazer uma gestão cada vez mais participativa, sem esta ideia de que diretor fica lá em cima. Somos todos colegas e o nosso trabalho precisa ser diferenciado para promover transformações”, finalizou.