Hospital Metropolitano treina colaboradores para combaterem incêndios

Treinamento Colaboradores estão treinados para evitar sinistro

Os meses de janeiro e fevereiro são considerados críticos por especialistas que trabalham com a prevenção do risco de incêndios, seja em residências ou em prédios. É rotineiro, por exemplo, que as pessoas saiam de férias e, eventualmente, esquecerem algum equipamento ligado a tomada. “É quando um incêndio de grande proporção acontece”, alerta o técnico de Segurança e Bombeiro Civil, Jean Farias.

Em unidades de saúde, este risco tende a ser minimizado em função dos treinamentos constantes para evitar casos de sinistro. O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) está promovendo até amanhã, 3/2, o curso para formação da brigada de incêndio, equipe que preza pela heterogeneidade, sendo composta por 50 colaboradores das áreas assistenciais e administrativas. A ideia é que os brigadistas estejam representados nas diversas áreas do hospital, sendo capacitados para identificar áreas de risco possíveis e tendo conhecimento amplo para agir em casos de sinistro. O treinamento atendeu a Norma Regulamentadora nº 23, que disciplina sobre as regras de segurança e saúde no trabalho, especificando acerca de proteção contra incêndio, saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, equipamento suficiente para combater o fogo e pessoas habilitadas para a utilização correta. A ação foi promovida diretoria Administrava e Financeira, por meio do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT).

A técnica de Enfermagem, Meiriellen de Barros, foi uma das brigadistas treinadas durante o curso realizado durante cinco dias, com carga horária de 20 horas. A profissional aprendeu técnicas para combater o incêndio, realizando evacuação da área e inspeções dos hidrantes. “É interessante o fato de estarmos nos habilitando para tratar sinistros, como, por exemplo, manusear os extintores e o momento de saber advertir, orientar quem estiver envolvido”. Para ela, além do conhecimento técnico, é fundamental manter o controle emocional. “É importante ter cautela para saber lidar com a situação naquele momento”.

A brigada de incêndio do Hospital Metropolitano, que é gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato  com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), tem a função de dar as diretrizes em caso de necessidade, como explicou o técnico em Segurança do Trabalho, Carlos Henrique Batista. “Capacitando a equipe de brigadistas, eles saberão saber como agir, os procedimentos, a avaliação do cenário, que tipo de extintor vai ser utilizado e também evacuação da área”. A equipe também tem a missão de acionar o Corpo de Bombeiros imediatamente. “Quando saiu do controle, está em grande proporção, a brigada não deu conta, mas ela tem que atuar até o bombeiro chegar. A prioridade nesse momento são as vítimas. É preciso retirá-las, de forma veloz e eficaz, do local. No segundo momento, é preciso considerar o prédio, os bens públicos”, explicou Jean Farias.

A temática ‘Noção de Primeiros Socorros’ também foi um assunto abordado pela técnica de Enfermagem, Alessandra Rodrigues, que ministrou palestra para os cursistas. “Abordamos temas como imobilização, reanimação e também como acalmar a vítima. Eles estão aptos para imobilizar em caso de fratura, entorse e aptos a identificar uma parada cardíaca, por exemplo”, disse.