Hospital Metropolitano promove reabilitação ao ar livre para crianças

A fisioterapia ocorre no jardim da unidade e envolve pacientes internados na Unidade de Internação Pediátrica (UIPedi) e no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ)

Brincar em balanço, subir em árvores, jogar queimada e pega-pega, são brincadeiras normais de qualquer criança. No ponto de vista médico, além de divertida, essas atividades ao ar livre auxiliam os pequenos na recuperação durante a internação hospitalar.

Com respeito aos critérios de prevenção ao novo coronavírus, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua (PA), começou a realizar, toda semana, uma programação no jardim da unidade voltada para os pacientes pediátricos.

Os trabalhos consistem em duas práticas: a fisioterapia motora, que estimula o movimento dos membros inferiores e superiores; e a fisioterapia respiratória, quando os exercícios estimulam o pulmão do paciente. São exercícios que estimulam uma série de habilidades, capacidades e atributos físicos para contribuem para a recuperação dos pequenos.

“Percebemos que as crianças demonstraram uma melhora significativa no seu quadro após essas atividades, além de ficaram mais receptivas para esse tipo de atendimento”, ressalta o coordenador de reabilitação do Metropolitano, Henrique Gomes.

“Geralmente, os atendimentos em sala não são atrativos para esse tipo de pacientes, então buscamos alternativas. Reabilitação ao ar livre, por exemplo, ajuda a superar o medo, aumentar a confiança e fortalecer a musculatura, a coordenação motora e as articulações”, complementa Henrique.

A ação também é uma forma de descontração para os pacientes mirins, promovendo bem-estar, promoção da qualidade de vida, humanização e sustentabilidade, pilares da gestão da Pró-Saúde, entidade filantrópica com mais de 50 anos de história, que administra o HMUE.

As atividades envolvem brincadeiras e procedimentos fisioterapêuticos. Foto: Comunicação / Pró-Saúde.

Mirelle de Jesus, 10 anos, sofreu queimaduras em casa, no município de São Félix do Xingu, sudeste do Pará. A menina está internada no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Metropolitano em recuperação e participa da atividade.

“Eu fico muito feliz quando saio para fazer as atividades, já que eu passo a maior parte do tempo no meu leito, descansando. Aqui eu brinco, tenho contato com a natureza e faço os exercícios que os fisioterapeutas pedem”, conta animada.

A tia da menina, Alzira de Jesus Lacerda, relata a evolução de Mirelle. “Minha sobrinha ficava quieta, triste no leito. Agora, depois das atividades, ela se mostra mais alegre e ansiosa para o tratamento no jardim do hospital”.

O Hospital Metropolitano, que pertence ao Governo do Pará e presta atendimento 100% gratuito no Sistema Único de Saúde (SUS), possui uma ala exclusiva para a reabilitação de pacientes vítimas de traumas e/ou queimaduras, sendo referência de atendimento no Estado.