Plantio de mudas no Hospital Metropolitano celebra o Dia Mundial do Meio Ambiente

São 47 mudas que representam o número de árvores derrubadas para a produção do papel usado por mês, em empresas e escritórios em todo Brasil

Como parte das ações alusivas ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado nesta sexta-feira, 5/6, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua (PA), realiza o plantio de 47 mudas de diversas espécies, nas áreas abertas da Unidade. A ação conta com a ajuda de crianças da classe hospitalar, e visa incentivar a reflexão quanto ao desmatamento, cada vez mais crescente no Brasil.

O número de mudas plantadas no Metropolitano, Hospital gerenciado pela Pró-Saúde, tem uma explicação: o consumo de papel dentro das empresa/escritório, que é equivalente a 47 árvores derrubadas, principal matéria prima para a produção do papel. Os dados fazem parte do estudo realizado pela Organização Não Governamental (ONG), Forest Ethics, que informa, ainda, que a produção de papel é responsável pela derrubada de 40% das árvores no mundo.

Dados da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) mostram que a produção de celulose no país sobe 3,8% em cada ano, atingindo o volume recorde de 19,5 milhões de toneladas. O estudo mostra ainda que, cerca de 400 milhões de árvores são derrubadas anualmente com essa finalidade.

“Plantar uma árvore é pensar no futuro. Essas mudas que estamos plantando aqui hoje vão fazer sombra para as próximas gerações. É um ato que amplia a consciência de todos para a importância de proteger e preservar o meio ambiente, onde encontramos os recursos naturais para nossas vidas”, explicou a analista de sustentabilidade do Hospital, Adriana Durans.

Além do plantio das mudas, serão entregues brindes ecológicos e sustentável, canecas feitas de fibra de coco, além de orientações quanto a preservação da natureza. Será montado também, um posto de coleta para objetos de plástico, que serão higienizados e doados para entidades que ajudam crianças e idosos.

Adriana Durans fala da importância de mudar, resignificar e ajudar ao próximo e a natureza. “Como já vamos receber os copos feitos de fibra de coco, a ideia é fazer com que o colaborador troque esse objeto pelo sustentável e a doação ajudará outras pessoas, ou seja, é uma forma de resignificar essas coletas”, enfatizou.

As ações alusivas a data Nacional do Meio Ambiente ocorrem entre os dias 5 a 11 de junho, exceto nos finais de semana, no Hall do Hospital.

Para o diretor hospitalar do Hospital Metropolitano, Itamar Monteiro, “o tripé que sustenta uma organização, uma empresa, um país é formada por agentes econômicos, ambientais e sociais”. Ainda segundo o diretor, “é por meio da sustentabilidade que conseguimos elencar as principais necessidades para alcançar os objetivos de uma sociedade, em que pessoas e natureza são devidamente respeitados”.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.