Ministério Público aprova estrutura e assistência prestada à população no Hospital Metropolitano

Promotora destacou qualidade do serviço e atuação na prevenção e promoção da saúde regional como destaques da unidade administrada pela Pró-Saúde

Na última semana, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) recebeu a visita da promotora de Justiça, Suely Catete, não só para conhecer como também para avaliar a infraestrutura e a qualidade do atendimento e demais serviços de referência que a unidade gerenciada pela Pró-Saúde em Ananindeua oferece à população paraense.

Na ocasião, o coordenador médico do Pronto Atendimento, José Guataçara, apresentou as alas de internação, o setor de urgência e emergência e o Centro de Queimados, destacando, ainda, o fluxo das equipes de assistência aos serviços de alta e média complexidades.

“Além de apresentarmos o nosso espaço de atendimento à urgência e emergência, nosso perfil assistencial e todos protocolos que são seguidos para prestar um serviço de qualidade e com acolhimento humano, também mostramos à promotoria nossa estrutura física e humana e os projetos que são desenvolvidos por aqui, seguindo os princípios de transparência e Governança Corporativa”, relatou Guataçara.

 

 

De acordo com a promotora de Justiça, representante da 2ª promotoria de Justiça de Direitos Constitucionais Fundamentais e dos Direitos Humanos do Ministério Público do Pará, o encontro foi muito satisfatório e positivo. Ela ressaltou a importância de acompanhar o salto de evolução dado pelo HMUE desde o início da gestão da Pró-Saúde em 2012.

“Estive no hospital durante três fases totalmente diferentes. Lembro de uma muito conturbada, em meados de 2010, com atendimentos precários e superlotação, que não condiziam com uma unidade tão grande e com tanta infraestrutura. Hoje, porém, é muito bom ver este cenário de mudança e poder acompanhar essa evolução do HMUE. Mais importante, ainda, é ver que além de estar cumprindo seu papel, a unidade trabalha com a prevenção, o que impacta na redução de índices de acidentes e com certeza faz a diferença na gestão dos recursos públicos e no atendimento prestado”, destacou Suely Catete.

O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência é uma unidade do Governo do Estado do Pará que presta atendimento 100% gratuito. É referência no tratamento de média e alta complexidades em traumas e queimados para a região Norte, e realizou, em 2019, mais de meio milhão de atendimentos, entre internações, cirurgias, exames laboratoriais e por imagem, atendimentos multiprofissionais e consultas ambulatoriais.

A unidade possui a certificação Acreditado (ONA 1), da Organização Nacional de Acreditação (ONA), uma das mais respeitadas entidades avaliadoras dos serviços de saúde do país. Recentemente, recebeu o prêmio InovaSUS, promovido pelo Ministério da Saúde, em reconhecimento aos projetos que contribuem para melhorar o atendimento à população com menor custo e maior eficiência, com a implantação do “Primeiro Laboratório de Tecnologia Assistiva Hospitalar de Baixo custo do Brasil”.

**Sobre a Pró-Saúde**

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente, realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.