Hospital Metropolitano encerra participação no Círio com mais de 200 atendimentos

O posto de atendimento médico avançado, do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), localizado na avenida Presidente Vargas, encerrou as atividades com 239 pessoas atendidas durante o Círio de Nazaré deste ano.

Em três dias, a Unidade do Governo do Pará, sob contrato de gestão com a Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, prestou atendimento aos promesseiros durante a realização do traslado para Ananindeua, romaria fluvial e no Círio de Nazaré.

Neste domingo, o atendimento foi realizado em parceria com a equipe da Cruz Vermelha, que contou com 21 postos de assistência durante o trajeto, sendo um deles com o apoio do Hospital Metropolitano. Enquanto os voluntários da Cruz Vermelha faziam os resgates de romeiros que passavam mal, a equipe do HMUE se concentrava nos atendimentos. Além disso, a Unidade forneceu todo o suporte básico, como medicamentos, pressão alta, trauma, queimaduras e material de primeiros socorros. “Tivemos mais de um mês para planejar a estrutura, organizar e treinar a equipe”, explicou Leonardo Costa, coordenador do Departamento de Ensino e Pesquisa do HMUE.

Localizado próximo à curva da avenida Boulevard Castilhos França com a subida da avenida Presidente Vargas, o posto recebe atenção por ser um ponto crítico da procissão principalmente para os promesseiros da corda. “Mesmo assim não temos grandes problemas por conta desse suporte do Metropolitano. A qualidade multiprofissional é diferenciada”, avaliou o vice-presidente da Cruz Vermelha no Pará, Antônio Graim.

Apenas neste posto, que estava montado desde às 5 da manhã, foram atendidas 13 pessoas. O vigilante Marcos Mota foi o primeiro a receber os cuidados após uma viagem que durou quatro horas. Vindo do município de Bonito, localizado nona Região Nordeste do Estado. “É a minha primeira vez no Círio. Senti tontura e perguntei sobre atendimento. Foi fácil encontrar o posto, verificaram minha pressão. Se não der para acompanhar, vou ver a passagem da imagem na esquina”, explicou Marcos.

Antes das nove horas o posto foi desmobilizado e a equipe distribuída em outros locais estratégicos. Para Antônio Graim, a parceria com a Pró-Saúde e Governo do Estado tem dado certo. “Há mais de cinco anos, contamos com esse apoio e queremos ampliar para o ano que vem, também na trasladação”, adiantou o vice-presidente da entidade humanitária no Estado.

O posto encerrou as atividades do HMUE nesta edição do Círio, festividade que prossegue pelos próximos 15 dias. “Estamos felizes em concluir mais uma vez o atendimento após três dias de romarias, percebemos que o evento está cada vez mais organizado. Também tivemos um número menor de pessoas com necessidade em cuidados de saúde, significa que estão tomando mais precauções para aproveitar o evento”, ponderou Leonardo Costa.

Círio Fluvial – Equipes do Hospital Metropolitano atuaram em parceria com o Exército Brasileiro e a Cruz Vermelha na manhã de sábado (12), durante mais uma edição da Romaria Fluvial. Realizado há mais de 30 anos em Belém, o percurso do Círio das Águas contou com apoio da Balsa de Atendimento Médico Especializado que, segundo balanço oficial realizado após o término da romaria, não foi acionada para realizar atendimentos graves. A balsa esteve composta de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), dispondo de ventiladores mecânicos, desfibriladores e monitores, além de médicos, equipe de enfermagem e fisioterapia, e materiais para intubação.

Traslado – Já na sexta-feira, 11, no posto do Hospital Metropolitano, na rodovia BR-316, romeiros receberam curativos, verificação de pressão arterial, teste de glicemia e avaliação de lesões nos membros inferiores. Em alguns casos, as equipes também aplicaram medicamentos e massagens, e forneceram água e lanches aos romeiros. Foram realizados 226 atendimentos para romeiros oriundos de vários municípios.

Sobre o HMUE

Referência no tratamento de média e alta complexidades em traumas e queimados para a região Norte pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), localizado em Ananindeua (PA), dispõe de 198 leitos operacionais nas especialidades de traumatologia, cirurgia geral, neurocirurgia, clínica médica, pediatria, cirurgia plástica exclusiva para pacientes vítimas de queimaduras, além de leitos de UTI.
O HMUE recebe pacientes da Região Metropolitana de Belém, de diferentes municípios do Pará e também de outros estados. Em 2018, realizou mais de meio milhão de atendimentos, entre internações, cirurgias, exames laboratoriais e por imagem, atendimentos multiprofissionais e consultas ambulatoriais.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.

Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.